ALEGRIA: nossa marca • AMAR A DEUS: nossa vida • A GLÓRIA DE DEUS: nossa missão

Av. Rio Do Ouro s/n • (próximo a Delegacia de Rio do Ouro/75DP) • Niteroi, CEP 24330-250, Rio de Janeiro-RJ
Tel. 26178058 • email: ipro.presbiteriana@gmail.com

segunda-feira, 26 de março de 2012

A aplicação da Palavra


“…ele vos guiará a toda verdade…” 
(João 16:13)

Abraham Kuyper*

As Sagradas Escrituras são um mistério maravilhoso, que se destina a satisfazer as necessidades e conflitos de todas as épocas, nações e santos. Quando a preparava, Ele previu essas épocas, nações e santos e, com um olho para suas necessidades, Ele a planejou e organizou tal como é hoje oferecida a nós. Somente então as Sagradas Escrituras alcançarão o alvo em vista, quando em cada época, nação, igreja e indivíduo, ela for aplicada de tal maneira que todo santo receba, por fim, seja qual for a porção reservada para ele nas Escrituras. Portanto, essa obra de aplicação pertence ao Espírito Santo somente, pois ele conhece a relação que as Escrituras devem suprir por fim a cada um dos eleitos de Deus.

Quanto à maneira na qual o trabalho é realizado, é direta ou indireta.
A aplicação indireta vem geralmente mediante o ministério, que alcança seu fim mais elevado quando, de pé em frente de sua congregação, o ministro diz: “Esta é a mensagem da Palavra que nesta ocasião o Espírito Santo tem para vocês”. Uma alegação sublime, de fato, somente alcançada quando alguém vive tão profundamente na Palavra quanto na igreja. Além disso, há também uma aplicação da Palavra dada pela palavra falada ou escrita de um irmão, que, algumas vezes, é tão eficaz quanto um longo sermão. A leitura atenta e tranquila de alguma exposição da verdade algumas vezes perturba a alma mais eficazmente do que um culto numa casa de oração.

A aplicação direta da Palavra o Espírito Santo efetua pala leitura das Escrituras ou por recordação de passagens. Então o Espírito Santo traz à lembrança palavras que nos afetam profundamente pelo seu poder singular. Embora o mundo sorria e mesmo os irmãos confessem ignorância com respeito a ela, é nossa convicção de que a aplicação especial desse momento foi para nós, e não para eles, e que em nossa alma o Espírito Santo realizou uma obra peculiar para si mesmo.

*Pastor e teólogo da Igreja Reformada Holandesa, um dos maiores pensadores calvinistas de todos os tempos. Serviu ao Senhor em diversas áreas do conhecimento humano, entre elas, foi primeiro ministro da Holanda. Trecho extraído do clássico “A Obra do Espírito Santo”, capítulo “O Mistério da Palavra”, Ed. Cultura Cristã.



Nenhum comentário:

Postar um comentário