ALEGRIA: nossa marca • AMAR A DEUS: nossa vida • A GLÓRIA DE DEUS: nossa missão

Av. Rio Do Ouro s/n • (próximo a Delegacia de Rio do Ouro/75DP) • Niteroi, CEP 24330-250, Rio de Janeiro-RJ
Tel. 26178058 • email: ipro.presbiteriana@gmail.com

domingo, 24 de novembro de 2013

DAMOS GLÓRIA A DEUS SERVINDO A OUTRAS PESSOAS COM NOSSOS DONS


Vou refletir com 
Rick Warren 

No céu, nos regozijaremos ao servir a Deus; por isso, um dos motivos de tê-lo colocado na terra foi dar-lhe tempo para que se aperfeiçoasse nisso! Obviamente, a única maneira de servir a um Deus que você não pode enxergar é servir às pessoas (que você enxerga!). Para tanto, Deus lhe deu alguns talentos. 

Deus não lhe deu suas habilidades para propósitos egoístas. Elas lhe foram concedidas para beneficiar outras pessoas, assim como outros receberam habilidades para seu benefício. A Bíblia diz: Deus concedeu dons o cada um de vocês, dentre a sua grande variedade de dons espirituais. Administre-nos bem, para que a generosidade de Deus flua por meio de Vocês. Vocês são chamados para ajudar aos outros? Ajudem com toda a força e energia com que Deus lhe supre.

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Sobre o dar


C. S. Lewis | Mero Cristianismo

Na passagem em que o Novo Testamento fala que todos devemos trabalhar, ele menciona que um dos motivos para tanto é que ‘se tenha algo para dar aos necessitados’. A caridade é uma parte essencial da moralidade cristã; na assustadora parábola das ovelhas e dos bodes, esse parece ser o ponto em que tudo se transforma. Certas pessoas dizem que a caridade deveria ser desnecessária e que, em vez de dar aos pobres, deveríamos lutar por uma sociedade em que não houvesse pobres. Elas podem até estar certas em dizer que nós precisamos lutar por uma sociedade assim. Mas se uma pessoa acha que nesse meio tempo ela pode parar de ajudar os necessitados, então ela se afastou e está bem longe da moralidade cristã. Eu não acredito que seja possível estabelecer o que devemos dar em termos quantitativos. Temo que a única regra segura seja dar mais do que sobra. Em outras palavras, se as nossas despesas com conforto, luxos e diversão são equivalentes ao padrão comum entre os que ganham o mesmo tanto que nós, provavelmente estamos dando muito pouco. Se as nossas doações não nos causarem aperto ou embaraço, devo dizer que elas são demasiado pequenas. Para muitos de nós, o grande obstáculo à caridade não está nos luxos da vida ou no desejo por mais dinheiro, mas no medo – medo da insegurança. Precisamos reconhecê-lo muitas vezes como uma tentação. Diversas vezes é o nosso orgulho que impede nossa caridade; somos tentados a gastar mais do que deveríamos nas formas exibicionistas de generosidade e menos do que deveríamos com aquelas pessoas que realmente precisam de nossa ajuda.


sábado, 9 de novembro de 2013

A gloriosa tarefa de negar a mim mesmo

Martin Lloyd-Jones
(1899-1981)

Quando me defronto a esta formidável e gloriosa tarefa de negar-me a mim mesmo, tomar a cruz e seguir ao Senhor Jesus Cristo, dou-me conta de que devo andar por este mundo como Ele andou.

Quando percebo que nasci de novo e fui modelado por Deus conforme a imagem do Seu bem-amado Filho, e quando me ponho a perguntar: «Quem sou eu para viver assim? Como posso alimentar a esperança de fazer isso?» — eis a resposta: a doutrina do Espírito Santo, a verdade de que o Espírito Santo habita em nós. Que ensina ela? Primeiramente, faz-me lembrar o poder do Espírito Santo que está em mim.

O apóstolo Paulo já o dissera, no versículo 13 (de Romanos 8) . . . «Se viverdes segundo a carne, caminhais para a morte; mas, se pelo Espírito mortificardes os feitos do corpo, certamente vivereis». Aqui ele volta ao mesmo ensino: «Pois Deus não nos tem dado.espírito de covardia».

O que, em outras palavras, ele está dizendo aos romanos é: «É preciso que compreendais que não estais vivendo por vós mesmos. Haveis pensado nesta vossa tarefa como se vós somente, e por vós mesmos, tivésseis que viver a grandiosa vida cristã. Entendeis que estais perdoados, e podeis agradecer a Deus que vossos pecados foram cancelados e lavados, mas parece que pensais que isso é tudo e que vos deixaram para que vivais por vossa conta a vida cristã. Se pensais desse modo», diz Paulo, «não admira que estejais sob o espírito de covardia e servidão, pois não tendes esperança nenhuma de viver esta vida cristã, e, dessa maneira, tendes uma nova lei que é infinitamente mais difícil do que a antiga. Mas a situação não é essa, porquanto o Espírito Santo habita em vós».


Depressão Espiritual,  p. 169,70.