ALEGRIA: nossa marca • AMAR A DEUS: nossa vida • A GLÓRIA DE DEUS: nossa missão

Av. Rio Do Ouro s/n • (próximo a Delegacia de Rio do Ouro/75DP) • Niteroi, CEP 24330-250, Rio de Janeiro-RJ
Tel. 26178058 • email: ipro.presbiteriana@gmail.com

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

DO BANCO AO GAZOFILÁCIO



Oferta da víuva pobre (Lucas 21:1-4), Gustave Doré

O Significado do caminho percorrido

No que diz respeito a dízimo, existe três grupos de pessoas. O primeiro grupo é daqueles que são fiéis (por fiéis consideramos os que são regulares e sinceros no valor). O segundo grupo é daqueles que não dizimam (por sinal este grupo é duro, duro de coração. Pra eles só um milagre). No terceiro grupo estão aquelas pessoas que em algum momento começaram a dizimar, mas não contiuam. Com esses normalmente se dá assim: Um dia qualquer, de um mês qualquer, de mais um ano qualquer, ele decide que vai, a partir daquele instante, ser um fiel dizimista. Ele diz pra si mesmo que não vai acontecer como aconteceu nos anos anteriores, quando começava, mas três meses depois parava. Só que de novo ele não consegue manter-se fiel.

Muito diferente daqueles que fazem parte do segundo grupo, os do terceiro grupo sentem que precisam mudar. Creio que eles estão realmente descontentes com essa situação, caso contrário não tentavam todo o ano.

O que é preciso para que, de uma vez por todas, pessoas assim saltem para um novo nível? É preciso ver o dízimo sob a ótica daqueles que fazem parte do primeiro grupo: Não como obrigação, mas como devoção. É entender que a cada passo que dou, do banco até o gazofilácio, estou na verdade dizendo ao meu Senhor, que não o dinheiro, mas Ele sim, é pra mim mais valioso que tudo nessa vida.

Do seu pastor que sempre ora por você, Rev. Jonas

Nenhum comentário:

Postar um comentário