ALEGRIA: nossa marca • AMAR A DEUS: nossa vida • A GLÓRIA DE DEUS: nossa missão

Av. Rio Do Ouro s/n • (próximo a Delegacia de Rio do Ouro/75DP) • Niteroi, CEP 24330-250, Rio de Janeiro-RJ
Tel. 26178058 • email: ipro.presbiteriana@gmail.com

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Definição de amor: quando a nossa difere da de Deus


Quando Jesus disse aos discípulos que lhe era necessário morrer, diz o texto sagrado que “Pedro, chamando-o à parte, começou a reprová-lo dizendo: Tem compaixão de Ti, Senhor; isso de modo nenhum acontecerá”. (Mt 16: 21-23).

Pedro acreditava que o maior ato de amor que podia demonstrar seria proteger Jesus de qualquer mal. Jesus sabia, e o Pai sabia, que o maior ato de amor a ser praticado seria a morte de Jesus.

Mesmo se Pedro estivesse simplesmente tentando proteger a Cristo, Jesus era sábio o bastante para ver através das palavras agradáveis a maior tentação. A tentação de abandonar o plano de Deus em favor de alguma coisa mais fácil; a tentação de fazer o que parece bom e não causa dor.

Frequentemente, nossa definição de amor difere da de Deus. De acordo com a nossa definição, ninguém deveria sofrer. Mesmo que o maior ato de amor tenha envolvido um sofrimento tremendo. O sofrimento de Cristo não foi semelhante a qualquer sofrimento que possamos experimentar.

Precisamos tirar uma lição disso. Muito do sofrimento que detestamos enfrentar pode ser, de fato, a opção mais amorosa. O salmista escreveu “Foi-me bom ter eu passado pela aflição, para que aprendesse os teus decretos” (Sl 119: 21).

Extraído do livro “Teus Planos, Senhor Não Fazem Sentido”.


Nenhum comentário:

Postar um comentário